Leia

Textos para inspirar sua vida, família e ministério.

Este é um artigo de opinião pessoal. Você não precisa concordar comigo, e eu, como cristão e pastor, continuo amando e respeitando quem pensa diferente. Sem me alongar na introdução, preciso fazer umas considerações iniciais: 1. Se você acha que um pastor não deve se envolver com política, leia meu texto sobre cristianismo e política, e entenda o que a Bíblia e nossa legislação dizem sobre isso. 2. A igreja que pastoreio, como instituição, não tem um candidato ou partido específico. Temos, porém, princípios específicos, que sempre defenderemos (apesar de amar quem discorda de nós). Respeitamos a diversidade política de uma nação democrática, mesmo entre nossos membros. 3. Mas eu, Edilson de Lira, como cidadão brasileiro, tenho minha opção específica de voto, e o direito de torná-la pública:

Recentemente, nossa nação ficou mais ligada na importância do tanque de combustível do carro, por causa da greve que tivemos com os caminhoneiros do país. Estradas foram bloqueadas, e o suprimento de gasolina no Brasil foi comprometido. Muitos não puderam ir aos seus trabalhos, fazer viagens e nem mesmo fazer certas atividades do dia a dia. Porém, não é sobre greve que eu quero falar, muito menos sobre carros ou gasolina. Na vida, toda ação requer um certo gasto de energia, de um “combustível” emocional, intelectual, financeiro, espiritual, físico ou político (relacional). Nós temos a responsabilidade de rotineiramente “encher o tanque” para os trajetos diários que percorremos em cada área de nossas vidas.

Política é sempre um tema que, especialmente no meio cristão, causa polêmicas quando abordado. É que, além das divergências ideológicas e defesas fervorosas comuns a esse debate, nós crentes somos bombardeados com um conceito que “política e religião não se misturam”. “Pastor não deveria se envolver em política”, ou “o Estado é laico, e não deve ter interferência da religião”, são outras frases comuns no meio daqueles que pensam, ou apenas repassam o pensamento, que o cristão em geral não deveria ser uma pessoa politizada. Vamos ver o que a Bíblia, nossa história e a lei de nosso país têm a declarar sobre essa questão.

As polêmicas sobre o aborto dividem até mesmo os cristãos, e não são recentes. Em 2017 a nossa nação começou a discutir o tema de forma mais ampla, devido a casos particulares julgados pelo STF e de destaque na mídia televisiva. Sem a pretensão de esgotar as inúmeras nuances jurídicas, éticas, filosóficas e políticas desta questão, este artigo se concentra nos aspectos bíblicos do tema, e procurar responder a três questões difíceis, porém importantes: Quando começa a vida? Quem tem o direito de tirá-la? Qual o caminho bíblico para quem já praticou o aborto? Leia, compartilhe, e seja abençoado!